Notícias

Último suspeito de crime contra médica diz não saber de nada

O autônomo Hermenegildo Palauro Filho, de 52 anos, foi preso pela Polícia Civil no distrito de Alto Capim, zona rural de Aimorés, em Minas Gerais. Ele é suspeito de ser um dos intermediários do assassinato da médica Milena Gottardi, ao lado do amigo Valcir da Silva. Porém, em depoimento, ele alegou que estava, sim, no local do crime mas para visitar um parente internado do amigo.

Judinho, como é conhecido, foi preso enquanto dormia. Ele era o único acusado de participação no crime que estava foragido e foi encontrado dentro de um cômodo, uma espécie de “puxadinho”, com apenas uma cama. O local é anexo a casa que pertence à mãe de um conhecido de Judinho.

Hermenegildo Palauro Filho, o Judinho, foi preso pela Polícia Civil em Aimorés

Hermenegildo Palauro Filho, o Judinho, foi preso pela Polícia Civil em Aimorés
Foto: Ricardo Medeiros

O suspeito chegou ao local na última sexta-feira. Antes, ele passou por Conceição do Castelo e Laranja da Terra, no Espírito Santo, fugindo da polícia.

O delegado Janderson Lube, titular da Delegacia Especializada em Homicídios Contra Mulher, responsável pela apuração do assassinato da médica, informou que uma das formas de chegar a Judinho foi através do Disque-Denúncia 181.

“Encontramos ele num local de difícil acesso, a cerca de 60 km da área urbana. Ele não ofereceu resistência e sabia que estava sendo procurado”, apontou.

Judinho chegou à Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) por volta das 10h45 e foi levado para o Centro de Triagem de Viana (CTV).


DEPOIMENTO

Em depoimento à Polícia Civil, no qual o jornal A GAZETA teve acesso, Judinho, informou que foi contactado pelo lavrador Valcir havia cerca de um mês e meio antes do assassinato da médica. Na conversa, Valcir ofereceu “um serviço”, sem especificar o que era, mas imaginou que seria matar alguém e recusou a proposta.

Na noite do crime, Judinho contou que foi convidado por Valcir para visitar um parente no Hospital das Clínicas, onde Milena trabalhava, e que aquela foi a primeira vez que esteve no local. Ele contou que não sabia que a médica seria morta. “Era ele quem dirigia o veículo, um Gol prata, que pertencia ao Valcir. Em depoimento, afirmou que permaneceu uma hora dentro do carro e que não ouviu conversa alguma. O que não acreditamos, pois o depoimento não condiz com os demais envolvidos”, pontuou Lube.

Próximo ao momento da execução, Judinho afirmou que Valcir conversou com Dionathas dentro e fora do carro, mas desconhece o teor da conversa. Devido aos tiros, houve tumulto e eles saíram do local.


MOTO


Apesar de Judinho afirmar que não teve participação no crime, o delegado afirmou que ele autorizou Dionathas a guardar a moto usada na fuga na casa dele. Após o fato, não teve mais contato com Dionathas.

Em depoimento, o autônomo informou que conhecia as pessoas apontadas como suspeitas no crime, no entanto, tinha relação próxima com Valcir. Hermenegildo afirmou que pretendia se entregar à polícia.

Segundo o delegado, a intenção é concluir o inquérito em até 60 dias. O prazo é o mesmo que os suspeitos foram presos temporariamente por 30 dias, que pode ser prorrogado por mais 30 dias.

O advogado de Judinho, David Marlon Oliveira Passos, informou que ainda não preparou a defesa. No entanto, ele adiantou que o cliente não teve participação no crime.

“Vou aguardar ter acesso a todo o inquérito, o que possivelmente irá ocorrer amanhã (hoje). Dessa forma, poderei estudar o caso para saber a linha de defesa. Tomarei todas as medidas judiciais cabíveis e com urgência.”


NO DEPOIMENTO

O que disse Hermenegildo


Serviço

Que há um mês e meio foi procurado por Valcir para prestar um serviço, mas não disse o que seria. Judinho imaginou que seria matar alguém, mas disse “estar fora disso”.


Ida ao hospital

No dia do crime, Valcir, por volta das 17 horas teria dito a ele que iria visitar um senhor chamado Valdemar no Hospital das Clínicas. Segundo Hermenegildo, apenas falou “vamos lá comigo”. Judinho afirma que pegou a direção do veículo e foi ao Hucam.


Conversa

Segundo Hermenegildo, Valcir saiu do carro no hospital e, depois de algum tempo, voltou para dentro do veículo. Um tempo depois, Dionathas chegou a entrar no carro e conversou com Valcir. Dentro do carro não falaram nada, e depois saíram e abriram o porta-malas.


Saída

Segundo Judinho. Valcir disse a ele, enquanto saíam do hospital, que aquele era o serviço, e ele respondeu: “Você tá doido, rapaz”.


Conhecidos 

Judinho disse que conhece Dionathas há muito tempo. “É um menino meio complicado e tinha envolvimento com drogas e meio adoidado”. Afirmou conhecer Esperidião “de cumprimentar na rua”. Hilário conheceu em Timbuí, “mas tem tempo que não vê”. Disse que não viu o Esperidião conversando com Valcir dentro do carro; Também afirmou que nunca viu Esperidião conversando com Dionathas.


Arma

Perguntado se a arma do crime ficou com ele respondeu que não.

 

 

Fonte: www.gazetaonline.com.br

 

Da Redação Multimídia
Departamento de Jornalismo (com informações: )
Kairós FM

 voltar  |  topo  |  imprimir

 
Ao vivo Programação musical com Playlist das 00:00 às 05:00
  • 1 . Gusttavo Lima - Apelido Carinhoso
  • 2 . Jorge e Matheus - Contrato
  • 3 . Thiago Brava - Dona Maria
  • 4 . Thiaguinho - Só Vem
  • 5 . Matheus e Kauan - Tô Com Moral No Céu
 

De onde você ouve a rádio Kairós?

Resultado Parcial