Notícias

Na catequese, Papa convida a seguir no diálogo inter-religioso.

A catequese do Papa Francisco, nesta quarta-feira, 28, contou com a participação de pessoas de diferentes religiões, em comemoração aos 50 anos da declaração Nostra aetate, sobre a relação da Igreja com as religiões não cristãs. O documento é fruto do Concílio Vaticano II.

“A mensagem da declaração é sempre atual”, frisou o Papa, destacando alguns pontos da declaração, como a unicidade da família humana, a crescente inter-dependência dos povos, a comum origem da humanidade e o olhar benevolente e atento da Igreja sobre religião.

 “A Igreja olha com estima para os crentes de todas as religiões, apreciando o seu empenho espiritual e moral. A Igreja aberta ao diálogo com todos é, ao mesmo tempo, fiel à sua crença”, disse Francisco.

Ao longo desses 50 anos, várias foram as iniciativas de diálogo com as religiões não cristãs; o Santo Padre falou, em especial, do Encontro de Assis, em 1986, evento promovido por João Paulo II, na época Papa e hoje santo da Igreja Católica. Um ano antes, o Papa polonês já havia convidado todo os crentes em Deus a favorecer a amizade entre Deus e os homens.

Como um dos exemplos desse caminho de diálogo, Francisco citou a transformação das relações entre cristãos e judeus. “Indiferença e oposição se transformaram em colaboração e benevolência. De inimigos e estranhos, tornamo-nos amigos e irmãos. O Concílio, com a declaração, traçou o caminho”.

 

Necessidade de respeito e oração recíprocos

 

O respeito recíproco é condição e, ao mesmo tempo, finalidade do diálogo inter-religioso, afirmou o Papa. Segundo ele, o mundo espera das pessoas que creem respostas efetivas sobre vários problemas, como a fome, a crise ambiental, a violência, em especial aquela que começa em nome da religião. “Nós crentes não temos receita para esses problemas, mas temos um grande recurso: a oração. E nós crentes rezamos, devemos rezar. A oração é o nosso tesouro”.

Francisco não deixou de comentar a realidade do terrorismo, que causou uma relação de suspeita e de condenação da religião. Ele lembrou que nenhuma religião está a salvo de ações fundamentalistas ou extremistas, e por isso mesmo é preciso olhar para os valores positivos que ela propõe. “Podemos caminhar juntos, tomando conta uns dos outros e da criação. Todos os crentes, de toda religião”.

O Papa concluiu falando do futuro do diálogo inter-religioso, o que depende, em primeiro lugar, da oração recíproca. “Possa a nossa oração, cada um segundo a própria tradição, aderir plenamente à vontade de Deus, que deseja que todos os homens se reconheçam irmãos e vivam como tal, formando a grande família humana na harmonia da diversidade”.

O último momento da catequese, que normalmente é o canto do “Pai-Nosso”, foi um instante de silêncio, em que o Papa convidou cada um a rezar, segundo suas próprias tradições. “Peçamos ao Senhor que nos faça mais irmãos entre nós e mais servidores dos nossos irmãos mais necessitados”.


Fonte: Canção Nova

Da Redação Multimídia

Departamento de Jornalismo
(com informações: Canção Nova)
Kairós FM

 voltar  |  topo  |  imprimir

 
Programação não definida
  • 1 . Maiara e Maraisa - Bengala e Crochê
  • 2 . Jorge e Mateus - Contrato
  • 3 . Kell Smith - Era Uma Vez
  • 4 . Dom Paulo Bosi Dal´Bó - São Mateus (Hino do Jubileu Diocesano)
  • 5 . Solange Almeida (Part. Wesley Safadão) - Se É Pra Gente Ficar
 

De onde você ouve a rádio Kairós?

Resultado Parcial