Notícias

Atenção, pais! Vacinação contra poliomielite termina nesta quinta no Espírito Santo.

Pais e responsáveis por crianças com idade entre 6 meses e menos de 5 anos têm poucos dias para levar os pequenos a uma unidade de saúde e garantir que eles sejam imunizados contra poliomielite. A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) espera que o Espírito Santo consiga vacinar pelo menos 95% do público-alvo da campanha contra paralisia infantil até quinta-feira (10), quando termina a mobilização nas cidades capixabas.

 A coordenadora do Programa Estadual de Imunizações, Danielle Grillo, lembra que as unidades de saúde de todos os municípios, com exceção de Vitória – em virtude do feriado municipal em homenagem à padroeira da cidade –, retomam a vacinação nesta terça-feira (08). Até as 17 horas de sexta-feira (04), foram vacinadas contra poliomielite no Espírito Santo 213.678 crianças, o que representa 93,09% do público-alvo, estimado em 229.535 pequenos.

 O Ministério da Saúde encerrou a 36º Campanha Nacional de Vacinação contra Poliomielite no dia 31 de agosto, mas o Espírito Santo decidiu estender o prazo para que mais crianças possam receber a proteção contra a doença, que pode levar à morte ou causar sequelas paralíticas irreversíveis.

“Apesar de nenhum estado ter atingido a meta de imunizar pelo menos 95% do público-alvo até o término da campanha nacional, nem todos optaram por prorrogar o prazo de vacinação e alguns estenderam por um período menor. Os pais e responsáveis pelas crianças devem aproveitar essa oportunidade”, argumenta a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações da Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo, Danielle Grillo.

 Ela explica que a poliomielite é uma doença infectocontagiosa causada por um vírus. Ela acomete, em geral, os membros inferiores e tem como principais características a flacidez muscular e pode levar à morte ou causar sequelas paralíticas irreversíveis. Ela ressalta que 25 municípios capixabas ainda não alcançaram a cobertura vacinal esperada, e 14 estão com menos de 90% do público-alvo imunizado. Por outro lado, 53 municípios ultrapassaram a meta programada pelo Ministério da Saúde.  

“O Espírito Santo não registra caso de poliomielite desde 1988, e o Brasil desde 1990. Assim, ainda que o Estado atinja a meta, o que acreditamos que irá acontecer, é importante mantermos uma cobertura vacinal alta e homogênea em todos os municípios para evitarmos o risco da reintrodução da doença em nosso território”, detalha Danielle Grillo.

Em informe técnico enviado aos Programas Estaduais de Imunizações, o Ministério da Saúde ressalta que a Iniciativa Global de Erradicação da Poliomielite, criada em 1988, permitiu que hoje a doença afete um número reduzido de crianças ao redor do mundo. Por outro lado, o documento alerta que essa situação pode mudar rapidamente se a poliomielite não for erradicada, uma vez que a doença tem potencial epidêmico e ainda restam três países endêmicos, o que representa uma ameaça às áreas livres da pólio.

 

Multivacinação

 
A campanha de multivacinação, realizada paralelamente à campanha contra poliomielite, também continuará até o dia 10 de setembro. O objetivo é atualizar o cartão de vacinação dos pequenos que têm menos de 5 anos de idade com doses das vacinas que compõem o calendário básico de imunização da criança. São disponibilizadas com essa finalidade vacinas que protegem contra tuberculose, hepatite B, difteria, tétano, coqueluche, meningite, pneumonia, diarreia, sarampo, caxumba, rubéola, catapora e hepatite A.

 Diferentemente da campanha contra poliomielite, que é indiscriminada, ou seja, pretende alcançar o maior número possível de crianças dentro do público-alvo determinado, a de multivacinação não possui uma meta quantitativa. Neste caso, a vacinação é feita de forma seletiva, avaliando-se as carteiras de vacinação das crianças e imunizando somente os pequenos que não estão com o esquema vacinal em dia.

 “A oferta de diferentes vacinas simultaneamente é uma experiência bem-sucedida. A eficácia desse tipo de campanha vem sendo comprovada pela redução no número de casos de doenças imunopreveníveis no país, como coqueluche, difteria, meningites, tétano neonatal, tétano acidental, sarampo e a própria poliomielite, que foi eliminada do território brasileiro”, detalha Danielle Grillo.

 

 

Vacinas disponibilizadas nas campanhas

 
Poliomielite: protege contra a paralisia infantil

BCG: protege contra formas graves de tuberculose;

Hepatite B: protege contra a hepatite B;

Pentavalente: protege contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e haemophilusinfluenzae tipo B (bactéria que causa meningite);

Pneumocócica 10-valente: protege contra o pneumococo, bactéria que causa pneumonia e meningite;

Meningocócica C: protege contra o meningococo C, bactéria que causa meningite;

Rotavírus: protege contra diarreia e desidratação;

Tríplice Viral: protege contra sarampo, caxumba e rubéola;

Tríplice Bacteriana (DTP): protege contra difteria, tétano e coqueluche;

Tetraviral: imuniza contra sarampo, caxumba, rubéola e catapora;

Hepatite A: protege contra a hepatite A.


Fonte: Folha Vitória

Da Redação Multimídia

Departamento de Jornalismo
(com informações: Folha Vitória)
Kairós FM

 voltar  |  topo  |  imprimir

 
Ao vivo Voz do Brasil com EBC das 19:00 às 20:00
  • 1 . Maiara e Maraisa - Bengala e Crochê
  • 2 . Jorge e Mateus - Contrato
  • 3 . Kell Smith - Era Uma Vez
  • 4 . Dom Paulo Bosi Dal´Bó - São Mateus (Hino do Jubileu Diocesano)
  • 5 . Solange Almeida (Part. Wesley Safadão) - Se É Pra Gente Ficar
 

De onde você ouve a rádio Kairós?

Resultado Parcial